sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Seja uma Luz para Si Mesmo






Com aproximação de sua morte. Buda disse as pessoas reunidas a volta: 


seja uma luz para si mesmo; não se entregue a refúgios externos. Apegue-se à Verdade. Não procure abrigo em ninguém além de si mesmo.

Você não encontrará o que irá satisfazer o seu coração e a sua mente num livro ou numa aula. Você não encontrará nem mesmo nos ensinamentos de Buda. Você não entrará em contato com a Verdade por meio de Buda nem por um venerável mestre zen ou por uma lama nem por um sacerdote ou monge, ou monja, professor ou guru. Você não receberá a Verdade - que aquieta as mais profundas dores do coração - de ninguém mais. 

O único caminho para ver a Verdade é observar se sua mente está se inclinando. 

Se isso ocorre é porque você vê alguma coisa lá fora, além de si mesmo. É perder-se em pensamentos e imaginação. É ser removido da experiência imediata. 

Note o que a sua mente está fazendo exatamente agora. Você não precisa se esforçar para fazer isso, pois já está completamente preparado. Você não precisa ir a lugar algum nem fazer nada de especial. Simplesmente veja somente a sua intenção. Apenas isso.

Despertar não é agarrar-se à ideia de despertar. Você não pode praticar o despertar nem fingi-lo ou imitá-lo. É preciso querer despertar realmente. 

Você só pode contar consigo mesmo. Você não depende dos outros. Tudo de que você precisa está aqui e agora. Confie apenas no assim. Na experiência direta, imediata. 

Você é a autoridade final. Despertar ou  não depende exclusivamente de você. 

(Steve Hagen - Budismo Claro e Simples - Ed. Pensamento)

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Palavras do Darma



Somos como pedrinhas pontiagudas dentro de uma jarra. A prática do Zen é como se chacoalhássemos a jarra. Nesse movimento uma pedra bate na outra. Dói, machuca, fere. Mas quem conseguir se arredondar primeiro torna-se uma pessoa macia que não agride mais os outros, e quando recebe agressões as compreende. A pedra (a pessoa) ficou arredondada: não machuca  nem é machucada.

(monja Coen)
Foto: Gladstone Menezes - Portugal

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Meditação Correta











Finalmente, o Buda nos ensinou que a meditação correta é o que de mais importante podemos fazer para despertar. Meditação Correta significa manter uma mente-que-não-se-move de momento a momento. Em qualquer situação, sob qualquer condição, mantenha a mente clara como o espaço, ainda que funcionando tão meticulosamente quanto a ponta de uma agulha. Há pessoas que pensam que o objetivo da meditação é apenas experimentar “paz de espírito”. Gostam de sossego e tranqüilidade. Nosso primeiro Centro Zen na América localizava-se em Providence Rhode Island. Após certo tempo, uma banda de rock instalou-se no apartamento exatamente abaixo da sala de meditação. Eles eram muitíssimo barulhentos! O fato de praticarem todos os dias incomodava muitos alunos Zen.  “Mestre, a música deles é barulhenta demais. Perturba a minha meditação! Será que não poderíamos pedir-lhes que parassem?” Na verdade, os roqueiros eram grandes bodisatvas. “Não se preocupem com eles, está bem? Encontrar quietude quando imerso na quietude, não é quietude real. A quietude imersa no barulho é a verdadeira quietude.” É claro que ter um lugar sossegado para meditar é ótimo, mas não devemos nos apegar a experiências de quietude, somente. A vida não é sempre assim. Se a sua mente não estiver se mexendo, até mesmo a Rua 42, em Nova Iorque, pode ser um ótimo templo Zen.

Há também aqueles que pensam que meditação correta tem a ver somente com a prática forma da meditação. Porém, só sentar para meditar não é a prática completa. Esse tipo de pensamento está vinculado ao sentar do corpo. A verdadeira meditação é o correto sentar da mente: independente de condição ou situação, como está a sua mente nesse exato momento?

Um eminente professor já disse: “Quando caminhar, parar, sentar, deitar, falar, estiver em silêncio, mover-se, estiver quieto – em todos os momentos, em todos os lugares, ininterruptamente, o que é isso?” São palavras muito importantes. Com certeza, a verdadeira prática de meditação não depende do fato de sermos capazes de manter uma postura formal ao sentarmos para meditar, seja pelo tempo que for. Significa apenas manter uma grande questão: “O que sou eu?”

É bom também controlar a sua respiração. Inspire e expire lentamente. A expiração deveria ter um pouco mais do dobro da duração da inspiração. Se você inspirar e expirar bem lentamente, poderá, com mais facilidade, cortar o fluxo dos pensamentos sem apegar-se ao vai-e-vem da sua mente. Com o tempo, a energia descerá cada vez mais para o seu centro, e você poderá controlar melhor os seus sentimentos e emoções. Porém, ao longo de tudo isso, é importante enfatizar que a verdadeira meditação não é mera postura corporal. É como você mantém a sua mente, de momento a momento, no meio de toda e qualquer atividade do seu cotidiano.


(A Bússula do Zen, mestre Zen Seung Sahn)
foto: Araquém Alcântara

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Mente Atenta Correta

(cont. Caminho Óctuplo)




Como está sua mente neste exato momento? Assim como um raio que vai de um ponto a outro numa trajetória reta, o modo como você mantém a sua mente nesse exato momento faz a sua vida inteira. Muitas pessoas só fazem seguir seus próprios pensamentos, desejos, raiva e ignorância. E assim só obtêm sofrimento a cada situação vivida. Todavia, se você acordar agora, encontrará a felicidade. O que você prefere? Também dizemos que esse "despertar" é prestar plena atenção. O Buda chamou de a Correta Mente Atenta.

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Modo de Vida Correto e Esforço Correto












(cont. Caminho Óctuplo)

O Modo de Vida Correto é muito interessante. Dizemos que todos nós temos dois trabalhos. Nosso trabalho interno é manter a mente clara. Nosso trabalho externo é acabar com os desejos egoístas e ajudar os outros. Dizer isso é uma coisa, mas como devemos proceder?? Todos temos algum tipo de trabalho. O trabalho de uns é ir para o escritório e ganhar dinheiro; o trabalho de outros é morar num templo e ensinar outras pessoas. Mas como é que esse trabalho exterior ajuda outras pessoas? Esse trabalho é feito só para mim, para minha família ou para todos os seres? É óbvio que nesse mundo todos temos que ganhar dinheiro. Porém, o trabalho de muitas pessoas acarreta a morte de muitos animais ou a poluição do ar e da água, o que não é bom. Vender álcool, drogas, explosivos ou armas para as pessoas, apenas cria mais e mais carma ruim para você. Não ajuda o mundo em nada. Mesmo que vocês esteja fazendo isso para ganhar dinheiro e ajudar a sua família, no final estará apenas contribuindo para mais sofrimento no mundo. Como é que você vai se tornar um buda desse jeito? Tenha muito cuidado: nesse mundo, causa e efeito são sempre muito, muito claros! O Buda recomendou que trabalhemos em coisas que não prejudiquem esse mundo. Como disse antes, o mais importante é "Por que faço isso?" Se você se fizer essa pergunta, o seu Modo de Vida Correto será muito claro.

Esforço Correto significa empenhar-se sempre na sua prática de meditação. Doente ou não, atarefado ou não, cansado ou não - não interessa. Simplesmente tente, tente, tente, durante dez mil anos, sem cessar. Apenas faça. Isso é tudo!

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Ação Correta

(cont. Caminho Óctuplo)





As ações se originam da nossa mente e a ela retornam. Tudo o que fazemos no mundo é reflexo do nosso pensamento. O Buda tinha um ensinamento muito claro sobre a maneira como podemos ajudar o mundo através da Ação Correta. Às vezes, chamamos isso de caminho dos preceitos. Ele ensinou que não devemos tirar a vida de nenhum ser, nem mentir, ou roubar, ou ter relações sexuais ilegítimas, ou ingerir substâncias tóxicas que nos causem desatenção. Sempre que fazemos alguma coisa, se estivermos pensando, aquela ação vira carma. Criamos um certo tipo de hábito mental para aquela ação. Se não praticamos boas ações, naturalmente criamos carma negativo. Mas, se não tentarmos fazer apenas coisas boas para os outros, estaremos criando o carma do bodisatva. Ação que tem como único objetivo ser as outras pessoas. Ação Correta quer dizer estar sempre consciente de como as nossas ações afetam todos os seres, pois isso afeta também a nossa mente. É por isso que Ação Correta é, muitas vezes, traduzida como "carma correto."

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Fala Correta

(cont. Caminho Óctuplo)


Muitas pessoas são apegadas à língua. A língua é algo muito interessante. Nós temos dois olhos, dois ouvidos e duas narinas: qual a razão de termos apenas uma boca e uma língua? Essa boca tem um trabalhão enorme! Está sempre comendo e falando, sem trégua. Está sempre desejando experimentar boas sensações - através das comidas, bebidas e do prazer de fazer discursos. A maior parte dos nossos mais profundos apegos vêm desta língua. Não são muitos os que vêm dos nossos ouvidos, narinas ou olhos. Talvez, se possuíssemos mais uma boca e língua, nossa vida fosse mais fácil, pois ambas não se sentiriam tão assoberbadas com tanto trabalho. Mas, uma só língua já causa tantos problemas ao mundo que devemos mesmo é nos considerar afortunados por não termos outra. De fato, dizer que dos nossos cinco órgãos dos sentidos primários (olhos, ouvidos, nariz, língua e tato), é a língua a que causa mais sofrimento para nós e para o mundo, se não estivermos muito atentos. É por isso que todas as religiões ensinam que devemos controlar a nossa língua e todos os seus desejos.

No Zen, dizemos, às vezes, que "a língua não tem ossos." Ela pode dizer uma coisa agora e, no momento seguinte, algo totalmente diferente. A língua pode fazer qualquer coisa. Ela é a fonte de todas as mentiras e fofocas. A língua, por si só, não tem direção, não tem osso. Um eminente professor disse certa vez: "Sua maldita língua o levará à ruína. Mantenha a garrafa arrolhada. Abra-a somente quando necessário." Essa é a regra do nosso templo. E na bíblia, Jesus também ensinou que as coisas que entram na nossa boca não são as que causam impureza e sofrimento, mas sim as que dela saem, causando imenso sofrimento ao mundo. Fala correta significa ser cuidadoso, a cada momento, com aquilo que a nossa língua faz. Significa usar a língua para ajudar os outros através de um discurso claro, cheio de compaixão. Se você abandonar as suas opiniões e a sua condição e não fizer absolutamente nada na sua mente, a Fala Correta aparecerá por si.

(Mestre Zen Seung Sahn - A Bússola do Zen)
foto: Alice Kohler

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Pensamento Correto











(cont. do Caminho Óctuplo)

O Pensamento Correto é muito semelhante. Todos nós temos as nossas opiniões e estamos muito apegados a elas. Gostamos ou desgostamos intensamente. Apegamo-nos, também, à nossa condição e situação. "Sou uma mulher." "Sou homem." "Sou Zen Budista"." "Acredito em Jesus." "Sou americano." "Sou japonês." Quando nos agarramos a tais condições, ficamos completamente incapacitados de nos conectar com esse mundo e com todos os seres. Só conseguimos ver este mundinho pequeno do "eu, meu, pra mim" que criamos, e não ajudamos aos outros. Pensamento Correto quer dizer não se apegar a nenhuma visão, não se prender às opiniões, condições e situação, mas manter sempre uma mente-antes-dos-pensamentos que só quer, espontaneamente, ajudar a todos os seres. Nossas Regras do Templo trazem esse ponto à mente quando dizem: "Não se apegue às suas opiniões. Não discuta seus pontos de vista com os outros. Agarrar-se às suas opiniões, bem como defendê-las, significa destruir a sua prática. Deixe de lado todas as suas opiniões. Esse é o verdadeiro budismo". Muito interessantes estas palavras.

Por isso eu digo sempre que, se você estiver pensando, a sua mente e a minha serão diferentes. Se você romper com otos os apegos ao pensamento, a sua mente e a minha serão a mesma. A sua mente-antes-do-pensamento é a sua substância. E assim, a sua substância, a minha substância e a substância desse universo são uma só substância. Contudo, esse ponto é antes do pensar. Se você atinge essa mente-antes-do-pensamento, a sua mente será clara como o espaço. Aí você percebe que você é idêntico a todos os seres, e o verdadeiro pensamento pode aparecer por si mesmo. Você não mais acolhe pensamentos de desejo egoísta, má vontade ou ódio. Isso se chama sabedoria, ou, então, Pensamento Correto.

(Mestre Zen Seung Sahn - A Bússola do Zen)
Foto: Lou Gaioto

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

O Caminho Óctuplo







1- Visão Correta
2- Pensamento Correto
3- Fala Correta
4- Ação Correta
5- Modo de Vida Correto
6- Esforço Correto
7- Mente Atenta Correta
8- Meditação Correta

O Buda ensinou o Caminho Óctuplo para liberarmo-nos do desejo, da raiva e da ignorância e retornarmos à nossa verdadeira natureza. Nossa consciência humana é muito complicada, com muitos tipos de ilusões. O Caminho Óctuplo oferece algo como oito medicamentos diferentes para as principais moléstias da nossa mente. Um dos medicamentos é a Visão Correta, às vezes chamada de correto entendimento. A Visão Correta, em verdade, significa não ter qualquer visão. Significa não ter idéias. Jogar fora o seu pensar e as suas opiniões e ver esse mundo exatamente como ele é. Quando percebemos corretamente a natureza desse mundo, vemos que bilhões de seres estão girando numa roda de sofrimento. Não conseguem sair dela. Percebemos que todos os seres sofrem por seguirem sua raiva, ignorância e desejo. Quando enxergamos isso, queremos ajudá-los. Todos temos apegos, ou carma. Possuir a Visão Correta significa entender que ações baseadas em desejo, raiva ou ignorância sempre levarão ao sofrimento, tanto para nós quanto para os outros. Tudo é impermanente; por que, então, deveríamos perseguir sentimentos e desejos temporários que vão e vêm em nossa mente? Se formos capazes de entender isso, quando nos sentirmos tentados a agir a partir do desejo, da raiva ou da ignorância, imediatamente saberemos aonde essa ação nos levará. "Por que faço tal coisa? Só para mim, ou para todos os demais seres? Essa pergunta traça nossa direção. Quando nossa direção é clara, toda a nossa vida é clara, e qualquer ação beneficiará a outros seres. Porém, sempre que você fizer alguma coisa unicamente para você, - por causa do seu próprio desejo, raiva ou ignorância - não estará ajudando a si mesmo nem ao mundo. Quando quiséssemos fazer alguma coisa, deveríamos ser guiados pela pergunta: "Por que fazer?" Um outro nome da damos a isso é Visão Correta.

(Mestre Zen Seung Sahn - A Bússola do Zen - Ed.Bodigaya)

Arte: Hugo Pullen