segunda-feira, 27 de julho de 2015

Olhar puro, olhar de sabedoria


foto: Itamar de Freitas - Asa Sul - Brasília/DF


É chegado o momento de abrir os portais de nossa consciência verdadeira. Assim podemos apreciar melhor a experiência humana

O que é a sabedoria do olhar?

Qual a visão pura e clara da realidade?

Será que você está vendo através de etiquetas, de nomes, de grifes, de jargões, de clichês?

Ou observa em profundidade, avalia e reconhece o que é, assim como é?

Quando eu era pequena, me encantava um poema que minha mãe escrevera sobre meu avô:

“A única coisa que me separa de meu pai são os anos. O homem que analisa friamente e termina por reconhecer que não pode crer nem descrer, pois desconhece.”

Mas como conhecer? Reconhecer, rever, religar, reler.

A mídia internacional escolhe temas e estes são passados a todos os países. Quem faz essa escolha e por quê? Há interesses em divulgar misérias, crimes, abusos, guerras? Destacar o que divide, o que separa?

Não. Também não queremos óculos cor de rosa ou azuis de dizer que está tudo bem, tudo bem.

Há coisas maravilhosas e estranhas e há gatos selvagens e vacas brancas — reza um texto budista antigo.

Eu queria saber mais das coisas maravilhosas e estranhas.

Quero ter notícias do amor e do cuidado, do crescimento da solidariedade e da ternura.

Quero saber das pessoas honestas e boas que todos os dias se levantam cedo e dormem tarde, vivendo horas nos trens e nos transportes coletivos. Meus heróis e heroínas brasileiros.

Trabalhadoras e trabalhadores do bem. Guardiões do caminho iluminado.

Gostaria de manchetes internacionais com as nossas meninas da ginástica rítmica, um dos ouros brasileiros nos jogos Pan-Americanos de Toronto.

Houve pódios e mais pódios, até de tiro ao alvo.

Melhor ganhar nas competições esportivas com a habilidade de atirar do que nas batalhas das ruas.

Do que nos alimentamos? Do que alimentamos nossas mentes? Quem nos faz olhar para este ou aquele evento? Podemos realmente escolher, ouvir, ver, escutar, perscrutar?

No mosteiro de Nagoya, onde pratiquei por sete anos, minha superiora costumava nos dizer:

“Para ver televisão, primeiro temos de levantar as antenas. Sintonizadas, podemos escolher ao canal que queremos assistir. Pode ser o do drama, do sofrimento, do horror. Mas podemos mudar para o canal Buda. Você tem o controle. Saia do mundo da dor e entre no mundo do saber, compreender e atuar de forma iluminada.”

Olhar puro, olhar iluminado, é o observar profundo e sem máculas, sem apegos e sem aversões. Ver em profundidade. Não ser manipulada nem manipular ninguém.

Abrir o coração-mente para a sabedoria suprema. Compreender os justos e os injustos.

Os que dizem a verdade e os que mentem.

Pois somos todos seres humanos e frágeis, corrompíveis e sublimes.

Vamos estimular em nós e em todos os seres a capacidade de amar e cuidar? A empatia do reconhecimento do bem feito e do estímulo ao que beneficie o maior número de seres?

Além, muito além, deste ou daquele grupo.

Somos uma única família, a humana.

Somos a vida da Terra. É chegado o momento de abrir os portais de nossa consciência verdadeira, de nossa mente incessante e luminosa. Assim podemos apreciar melhor esta experiência maravilhosa e estranha de seres humanos no planeta Terra, Sistema Solar, Via Láctea.

Ah! As estrelas no céu podem nos contar tanto.

Mãos em prece.



Texto da Monja Coen publicado no jornal O Globo de 23/07/2015

domingo, 26 de julho de 2015

Você é espiritualista mas não religioso? 10 razões pelas quais o budismo enriquecerá seu caminho.




Existem várias razões pelas quais as pessoas se tornam desencantadas com a religião institucionalizada, mas a maioria continua a ansiar por algo mais do que uma vida materialista, de algo que dê significado mais profundo e felicidade, algo que eles descrevem como “espiritual”.

Talvez isso diga respeito a você. Talvez você seja uma das muitas pessoas que descobriu que o budismo tem muito a oferecer à sua vida e prática espiritual, sem algumas das desvantagens da religião institucionalizada.

Dito de outra maneira:

Algumas pessoas discutem se o budismo é de fato uma religião, mas por agora vamos supor que é. O budismo é única religião do mundo que não tem um Deus. É uma religião não-teísta.

Isso muda tudo. Sim, tal como as outras religiões o budismo descreve uma realidade não-material, espiritual (talvez uma realidade mais profunda) e aborda o que acontece depois que morremos. Mas, ao mesmo tempo, é pés no chão e prática: diz sobre nós, nossas mentes, e nosso sofrimento. É sobre ser totalmente e profundamente humano, e tem algo a oferecer a todos: aos budistas, é claro; também às pessoas espiritualizadas mas não religiosas, aos de outras religiões, e até mesmo àqueles que não se acham espirituais. Quem não sabe o valor de estar presente e consciente?

Em primeiro lugar, algumas precauções. Como outras religiões, o budismo é praticada em diferentes níveis de sutileza, e às vezes pode ser tão teísta como qualquer outra religião. O budismo é praticado por pessoas, por isso não é bom nem ruim. Chegamos ao budismo como somos, por isso definitivamente o ego estará envolvido. Isso não é problema – é a base do trabalho do caminho. A chave é para onde vamos a partir daí.

Além disso, muito do que eu estou dizendo sobre o budismo também se aplica às tradições contemplativas de outras religiões. Na verdade, contemplativos de diferentes religiões muitas vezes têm mais em comum uns com os outros do que com praticantes de sua própria religião. Tudo se resume a quanto nós personificarmos ou solidificarmos o absoluto – se ele é um ser supremo que nos julga ou uma extensão aberta de amor e consciência.

A diferença é que a meditação é a própria essência do Budismo, e não apenas a prática de uma elite de místicos. É justo dizer que o budismo é a mais contemplativa das principais religiões do mundo, que é um reflexo do seu não-teísmo básico.

O Budismo é sobre a realização e experiência, não sobre instituições ou autoridade divina. Isto o torna especialmente adequado para aqueles que se consideram espirituais, mas não religiosos. Aqui estão dez razões:

1. Não há um Deus budista.

Diferentes escolas do budismo têm opiniões diferentes sobre quem era o Buda. Alguns dizem que ele era um ser humano comum que descobriu o caminho para o despertar; outros dizem que ele já estava esclarecido, mas seguiu o caminho para nos mostrar como ele é feito. Mas uma coisa é certa: ele não era um deus, deidade, ou um ser divino. Suas faculdades eram puramente humanas, qualquer um de nós pode seguir o seu caminho, e nossa iluminação será exatamente a mesma que a dele. Em última análise, não somos diferentes dele, e vice-versa.

É certo que há muitas imagens budistas que se parecem com os deuses e divindades, todos os tipos de seres coloridos e exóticos. O cosmos budista é muito vasto, contém seres infinitos de diferentes mentes, corpos, faculdades e reinos. Alguns são mais sutis e despertos, e outros são mais grosseiros e mais confusos. No entanto, estas são apenas as infinitas variações sobre a realidade que vivemos agora. Pode ser infinitamente vasta e profunda, pode ser misteriosa além dos conceitos, pode ser muito diferente do que nós pensamos que é, mas seja lá o que é a realidade, é o que é. Não há nada nem ninguém fundamentalmente diferente ou fora dela.

2. Trata de sua bondade fundamental.

O Budismo não é sobre a salvação ou o pecado original. Não se trata de se tornar alguém diferente ou ir para outro lugar. Porque você e seu mundo são basicamente bons. Com todos os seus altos e baixos, este nosso mundo funciona. Ele nos aquece; ele nos alimenta; ele nos oferece cor, som e toque. Nós não temos que lutar contra o nosso mundo. Não é nem para nós, nem contra nós. É um mundo simples, vívido da experiência direta que possamos investigar, cuidar, desfrutar, nos relacionar com amor.

Nós somos basicamente bons assim, confusos como somos. No budismo, a nossa verdadeira natureza tem muitos nomes, tais como búdica, mente original, sugatagarbha, Vajradhara, ou Buda, simplesmente – despertar fundamental. A coisa é, não solidificarmos, nos identificarmos, ou conceituá-la. Então é apenas o mesmo velho jogo que estamos presos agora. Nós não possuímos esta bondade fundamental. Não está dentro de nós, não está fora de nós, está além do alcance da mente convencional. É vazia de toda forma, ainda que tudo o que experimentamos seja sua manifestação. Não é nada, e é a fonte de tudo. Tudo o que você pode fazer é olhar diretamente, relaxar e deixar ir.

3. O problema é o sofrimento. A resposta é despertar.

Budismo existe para resolver um problema: o sofrimento. O Buda chamou a verdade do sofrimento de “nobre”, porque reconhece que o nosso sofrimento é o ponto de partida e inspiração para o caminho espiritual.

Sua segunda nobre verdade foi a causa do sofrimento. No Ocidente, os budistas chamam isso de “ego”. É uma pequena palavra que abrange praticamente tudo o que há de errado com o mundo. Porque de acordo com o Buda, todo os sofrimentos, grandes e pequenos, começam com a nossa falsa crença em um sólido, separado e contínuo “eu”, que para sua sobrevivência dedicamos nossas vidas.

Parece que estamos irremediavelmente presos nesse pesadelo de “eu e eles” que nós criamos, mas podemos despertar disso. Esta é a terceira nobre verdade, a cessação do sofrimento. Fazemos isso através do reconhecimento de nossa ignorância, a falsidade de nossa crença neste “eu”. Finalmente, o Buda nos disse que há uma caminho concreto e que podemos chegar lá, que consiste basicamente de disciplina, esforço, meditação e sabedoria. Esta é a quarta nobre verdade, a verdade do caminho.

4. A maneira de fazer isso é através do trabalho com sua mente.

Assim, de acordo com o Buda, o problema é o sofrimento, a causa é a ignorância, o remédio é despertar e o caminho é viver conscientemente, meditar, e cultivar a nossa sabedoria. Há realmente um só lugar onde tudo acontece: em nossas mentes. A mente é a fonte tanto do nosso sofrimento quanto da nossa alegria. Meditação – domar a mente – é o que nos leva de um para o outro. A meditação é remédio básico do budismo para a condição humana.

O caminho budista da meditação começa com as práticas para acalmar a nossa mente selvagem. Uma vez que a mente está focada o suficiente para olhar de forma não distraída para a realidade, nós desenvolvemos uma visão sobre a natureza da nossa experiência, que é marcado pela impermanência, sofrimento, não ego e vacuidade. Nós, naturalmente, desenvolvemos a compaixão por nós mesmos e todos os seres que sofrem, e nossa percepção nos permite ajudá-los com habilidade. Finalmente, experimentamos a nós mesmos e ao nosso mundo como eles sempre foram desde o tempo sem principio, como são agora, e sempre serão – nada mais do que a própria iluminação, grande perfeição em todos os sentidos.

5. Ninguém pode fazer isso por você. Mas você pode fazê-lo.

No budismo, não há salvador. Não há ninguém que vai fazer isso por nós, não há lugar onde poderemos nos esconder por segurança. Temos que encarar a realidade de frente, e temos de fazê-lo sozinho. Mesmo quando os budistas se refugiam no Buda, onde eles realmente estão se refugiando é na verdade de que não há nenhum refúgio. Não buscar proteção é a única proteção real.

Então essa é a má notícia – nós temos que fazer isso sozinho. A boa notícia é que nós podemos fazer isso. Como seres humanos, nós temos os recursos de que precisamos: inteligência, força, corações amorosos, e comprovados métodos eficazes. Por causa disso, podemos despertar a nossa confiança e renunciar à nossa depressão e ressentimento.

Ninguém pode fazer isso por nós, mas ajuda e orientação estão disponíveis. Há professores – homens e mulheres que estão a mais tempo no caminho – que nos oferecem instrução e inspiração. Eles nos mostram que é possível. Os nossos companheiros praticantes apoiam o nosso caminho, embora nunca nos permitam usá-los como muletas. Os ensinamentos budistas oferecem-nos sabedoria que remonta até o próprio Buda, há 2600. Podemos ir direto à fonte, porque a linhagem que começou com Gautama Buda segue até hoje.

6. Há uma realidade imaterial espiritual.

Algumas pessoas descrevem o budismo como racional, “religião científica”, ajudando-nos a levar uma vida melhor e mais atenciosos sem contradizer nossa visão do mundo moderno. É certamente verdade que muitas práticas budistas trabalham muito bem no mundo moderno, não requerem quaisquer crenças exóticas e trazem benefícios significativos para a vida das pessoas. Mas isso é apenas parte da história.

O budismo definitivamente afirma que há uma realidade que não é material. Outras religiões dizem o mesmo; a diferença é que no Budismo esta realidade espiritual não é Deus. É a mente.

Isto é algo que você pode investigar por si mesmo:

Minha mente é feita de matéria ou é outra coisa?

Será que minha mente têm características, como pensamentos, sentimentos e identidade, ou é o espaço em que surgem estas coisas?

Será que minha mente constantemente está mudando ou é contínua? É uma coisa ou muitas?

Onde está o limite da minha mente? É grande ou pequena? Está dentro de mim olhando para o mundo material fora? Ou são as minhas percepções e minha experiência de ambos são a mente?

7. Não aceitar as coisas com fé cega.

Não há sabedoria recebida no budismo, nada temos de aceitar puramente com base em alguém autoridade de outra pessoa espiritual. O Dalai Lama disse que o budismo deve desistir de qualquer crença que a ciência moderna possa desmentir. O próprio Buda disse a famosa frase: “Seja uma luz para si mesmos”, e disse a seus alunos que eles devem testar tudo o que ele disse com sua própria experiência. Mas é fácil interpretar mal este conselho. Nossos egos modernos estão ansiosos para tirar proveito dela. Enquanto não devemos aceitar o que os outros dizem de cara, não significa que devemos simplesmente aceitar o que dizemos a nós mesmos. Temos que testar os ensinamentos do budismo em relação a nossa experiência direta de vida, e não em relação às nossas opiniões.

E enquanto a ciência moderna pode provar ou refutar velhas crenças sobre astronomia ou fisiologia humana, não podemos medir ou testar o imaterial. O budismo valoriza a mente racional e procura não desmenti-la em sua própria esfera. Mas isso não conta toda a história.

Finalmente, é rara a pessoa que pode navegar o caminho espiritual sozinho. Apesar de manter a nossa auto-estima e julgamento, devemos estar dispostos a aceitar a orientação, mesmo liderança, daqueles que estão a mais tempo no caminho. Em uma sociedade que exalta o indivíduo e questiona a hierarquia da relação professor-aluno, é um desafio encontrar um meio-termo entre o excesso de auto-suficiência e a não suficiência.

8. O budismo oferece uma riqueza de meios hábeis para diferentes necessidades das pessoas.

O budismo não é uma religião de um caminho único que serve pra tudo. É altamente pragmático, porque é sobre o que ajuda a reduzir o sofrimento.

Seres são infinitos. Portanto, são seus problemas seus estados de espírito. O budismo oferece uma riqueza de meios hábeis para atender às suas diferentes necessidades. Se as pessoas não estão prontas para a verdade final, uma verdade parcial vai ajudar, isso não é problema – desde que isso realmente ajude. O problema é sentir que as coisas realmente estão funcionando – ir junto com nossos truques habituais – por vezes podem piorar as coisas. Assim, os ensinamentos budistas são gentis, mas também podem ser difíceis. Precisamos enfrentar os caminhos que causam a nós e aos outros o sofrimento.

Meditadores budistas têm estudado a mente há milhares de anos. Nesse tempo, eles já testaram e comprovaram muitas técnicas para domar a mente, diminuir nosso sofrimento, e descobrir quem somos e o que é real (ou não). Há meditações para acalmar e concentrar a mente, contemplações para abrir o coração, e maneiras de trazer facilidade e graça para o corpo. É justo dizer, como muitas pessoas têm feito, que o budismo é a ciência mais desenvolvida do mundo da mente.

Hoje, as pessoas que querem explorar o budismo tem muitos recursos à sua disposição. Pela primeira vez na história, todas as escolas e tradições do budismo estão reunidos em um só lugar. Há ótimos livros , excelentes professores, centros de prática, comunidades e revistas.

Estes estão todos disponíveis para você explorar de acordo com suas próprias necessidades e caminho. Você pode praticar a meditação em casa ou ir a um centro local e práticar com os outros. Você pode ler um livro, assistir as aulas, ou ouvir uma palestra de um professor budista. O que funcionar para você – nenhuma pressão.

9. É aberto, progressivo e não institucional.

Enquanto o budismo em suas terras natais asiáticas pode ser conservador, budistas no Ocidente são geralmente liberais, social e politicamente. Isso é um acidente da história ou um reflexo natural dos ensinamentos budistas, comunidades budistas abraçam a diversidade e trabalham contra o sexismo e o racismo.

As identidades de todos os tipos, incluindo sexo, nacionalidade, etnia, e até mesmo a religião, não são vistos como fixos e em última análise, verdadeiros. No entanto, eles não são negados; as diferenças são reconhecidas. Claro, os budistas são pessoas e ainda parte de uma sociedade, por isso há um trabalho em andamento. Mas eles estão tentando.

O budismo tem sido descrito como uma religião não institucionalizada. Não há nenhum papa budista. (Não, o Dalai Lama não é o chefe do mundo budismo. Ele nem é a cabeça de todo o budismo tibetano, apenas de uma escola). Não há nenhuma igreja global, apenas um conjunto disperso de diferentes escolas e comunidades. Como você pode descobrir rapidamente se você for para o seu centro budista local, as coisas podem correr bem (ou não), mas a atmosfera é provável que seja aberta e descontraída. Provavelmente não se sentirão institucionalizados.

10. E ele funciona.

Nós não podemos ver ou medir a experiência subjetiva, por isso não podemos julgar diretamente o efeito que o budismo está a tendo na mente e no coração de outra pessoa. Mas nós podemos ver como eles agem e tratam as outras pessoas. Nós podemos ouvir o que eles dizem sobre o que eles estão enfrentando internamente.

O que descobrimos é que o budismo funciona. Durante milênios, o budismo tem feito as pessoas mais conscientes, carinhosos e hábeis. Tudo que você tem a fazer é encontrar alguém que já esteja praticando meditação há muito tempo para saber disso. No nosso tempo, centenas de milhares de americanos estão relatando que mesmo uma prática budista modesta fez sua vida melhor – eles estão muito mais calmos, mais felizes, e não se deixam levar tão facilmente quando surgem emoções fortes. Eles estão mais gentis consigo e com os outros.

Mas é realmente importante não sobrecarregar-nos com expectativas irreais. A mudança vem muito lentamente. Você também vai ver que quando você encontra um praticante budista, mesmo aquele de longo tempo. Não espere perfeição. Estamos trabalhando com padrões de ignorância, ganância e raiva que se desenvolveram ao longo da vida – ou muito mais tempo. A mudança vem lentamente para a maioria de nós. Mas elas vêm. Se você permanecer (na prática) está garantido. O budismo funciona.

Esta não é uma tentativa de converter ninguém ao budismo. Não há necessidade para isso. Mas aqueles que pensam em si mesmos como espirituais, mas não religiosos podem encontrar algo no budismo para ajudá-los em seu caminho pessoal.

Quando eu encontrei pela primeira vez o budismo, o que me impressionou foi a sua integridade absoluta. Eu vi que ele não estava tentando me manipular, dizendo-me o que eu queria ouvir. Ele sempre diz a verdade. Às vezes, essa verdade é suave, suavizando os nossos corações e trazendo lágrimas aos nossos olhos. Às vezes é difícil, forçando-nos a enfrentar nossos problemas e cortando nossas ilusões confortáveis. Mas sempre é mais hábil. Sempre que nos oferece o que precisamos. Somos livres para seguir o que nós desejamos.


quinta-feira, 23 de julho de 2015

Não há outra autoridade fora de minha experiência pessoal



Talvez vocês comentem: “Bem , mas eu preciso de um instrutor que possa me libertar de meu sofrimento. Estou sofrendo e não entendo isso. Preciso de alguém que me diga o que fazer, não é mesmo?”. Não! Quem sabe, você precise de um guia, que lhe explique como vivenciar sua vida; o que falta é um guia que lhe deixe claro que autoridade de sua vida, seu verdadeiro instrutor, é você mesmo; e praticamos para compreender internamente este “você”.

Só existe um professor. E que é ele? A própria vida. Cada um de nós é, claro, uma manifestação da vida. Não poderíamos ser outra coisa. No entanto, acontece que a vida é um professor da mesma maneira rígido e infinitamente gentil. É a única autoridade em quem é preciso confiar. Esse professor, essa autoridade, está em todo lugar. Não é preciso ir a locais especiais para encontrar esse incomparável mestre; não é necessária uma situação em especial ideal ou tranquila; aliás quanto maior a confusão melhor. O escritório costuma ser um excelente lugar. O lar comum é perfeito. Esses ambientes estão muito bagunçados quase o tempo todo. Sabemos por experiência própria! Aí é onde está a autoridade, o professor.

(Charlotte Joko Beck - Sempre Zen)

terça-feira, 21 de julho de 2015

Paciência




"Ten paciencia. Espera hasta que el barro se asiente y el agua este clara. Permanece inmóvil hasta que la acción correcta surja por si misma." 

Lao Tsé

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Trazendo a Sangha com você

Douglas Lake Ranch- Canada ©Luis Fabini

Cada um de nós irá continuar o Buda de forma própria. Se nós praticarmos a plena atenção e a concentração, nós sempre teremos o Buda, o Dharma e a Sangha conosco todo o tempo, mesmo que a sociedade seja organizada, atualmente, de uma maneira que torna o viver difícil. Mas com a mente do amor, com determinação, nós seremos capazes de trazer a Terra Pura do Buda conosco e compartilhar com muitas outras pessoas. Se eu sobrevivi nos últimos trinta e nove anos foi porque sempre trouxe minha Sangha junto comigo. Com a Sangha em seu interior, você não resseca como uma célula separada.

De tempos em tempos, você pode desejar parar, durante uma caminhada ou enquanto cozinha ou dirige, e tocar a Sangha interior. Pergunte: “Cara Sangha, você ainda está aí dentro comigo?” E ouça a resposta dela: “Nós sempre estamos com você, estamos apoiando você. E não deixaremos você secar como uma célula separada”.

Você terá energia para continuar ao estar atento à Sangha interior e ao seu redor. Cada um de nós se tornou uma tocha. Cada um de nós se tornou um elemento de inspiração de muitos outros, cada um de nós tem que ser um bodhisattva. Ser um bodhisattva não é algo espetacular. É a nossa prática diária.

É muito claro nos ensinamentos budistas que o Buda é um ser vivo. Se o ser vivo não está lá, o Buda não pode estar lá. Para ser um buda você precisa ser um ser vivo. Você precisa ser um buda para ser um ser vivo, porque estes dois são um. Se a natureza do Buda não estivesse em você, você não seria um ser vivo. Cada ser vivo possui a natureza do Buda. É possível respirar como um buda, caminhar como um buda, sentar como um buda, comer e beber como um buda. A prática da plena atenção nos ajuda a nos tornarmos um buda no aqui e agora. Se você está procurando pelo Buda de dois mil e seiscentos anos atrás, você irá perdê-lo. Mas se você inspirar e se tornar iluminado a respeito do fato de que você é o Buda, você é a continuação dele, então o Buda está disponível neste exato momento.

O final de uma jornada é o início da continuação. E eu espero, eu rezo para o Buda e para todos os bodhisattvas para que mantenham você protegido, saudável e feliz. Nós contamos com você, e o Buda conta com cada um de nós. Por favor, aprecie caminhar hoje. Apenas dê sete passos e veja o que acontece.

Extraído de “Corpo e Mente em Harmonia – Andando rumo à Iluminação” – Thich Nhat Hann

sexta-feira, 10 de julho de 2015

Indo além do sofrimento


''O sofrimento de cada pessoa é único e o maior de todos, pois é o seu. Entretanto, se e quando somos capazes de sair do casulo individualista, podemos abrir as asas devagar e, talvez com certa dor, voar além de nós mesmos. Esse é o ensinamento de Buda, o ensinamento Zen."

Monja Coen Roshi