terça-feira, 26 de julho de 2016

Respiração - Shunryu Suzuki




"Aquilo que chamamos 'eu' não é mais do que uma porta de vaivém, que se move quando inalamos e quando exalamos."

Foto: Araquém Alcântara - Santa Catarina - Brasil


Quando praticamos zazen, nossa mente sempre segue a respiração. Quando inalamos, o ar entra em nosso mundo interior. Quando exalamos, o ar sai para o mundo exterior. O mundo interior não tem limites e o mundo exterior também é ilimitado. Nós dizemos "mundo interior" e "mundo exterior", mas, na verdade, só há um único mundo. Nesse mundo sem limites, a garganta é uma espécie de porta de vaivém. O ar entra e sai como alguém passando por uma porta de vaivém. Se você pensa "eu respiro", o "eu" está a mais. Não há um você para dizer "eu". O que chamamos "eu" é apenas uma porta de vaivém que se move quando inalamos e exalamos. Ela simplesmente se move, eis tudo. Quando sua mente está pura e calma o suficiente para seguir esse movimento, não há nada: nem "eu", nem mundo, nem mente, nem corpo. Só uma porta que vai e vem.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sesshin em Brasília

Arte: Hugo Pullen