segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Zen Budismo: a religião em si mesmo


Os ensinamentos do Zen Budismo se referem à incessante transformação de tudo que existe, à lei da causalidade e à capacidade de alcançar o Nirvana, descreve Monja Coen




“Não apenas a mística Zen Budista pode transformar o mundo, mas acredito que as várias tradições espirituais da humanidade têm o mesmo propósito: despertar para a verdade de que somos, estamos todos irmanados, compartilhando das mesmas necessidades primárias e que a felicidade de todos é a nossa verdadeira felicidade”. A opinião é de Monja Coen, missionária oficial da tradição Soto Shu - Zen Budismo com sede no Japão, expressa na entrevista a seguir, concedida, por e-mail, à IHU On-Line. Monja Coen acredita no diálogo inter-religioso como um caminho para a construção da paz mundial e frisa que “ensinamentos como a Cura da Terra, enraizados na cultura budista, e a compreensão de que a Terra é o nosso corpo são fundamentais “para a mudança de um modelo mental egóico e delusivo (...), para uma compreensão da unidade e para desenvolver o voto da compaixão”.

Monja Coen é a Primaz Fundadora da Comunidade Zen Budista, criada em 2001, com sede em Pinheiros, São Paulo. Iniciou seus estudos budistas no Zen Center of Los Angeles - ZCLA. Foi ordenada monja em 1983, mesmo ano em que foi para o Japão onde permaneceu por 12 anos sendo oito dos primeiros anos no Convento Zen Budista de Nagoia, Aichi Senmon Nisodo e Tokubetsu Nisodo. Graduou-se no mestrado da tradição Soto Shu. Retornou ao Brasil em 1995, e liderou as atividades no Templo Busshinji, bairro da Liberdade, em São Paulo, sede da tradição Soto Shu para a América do Sul durante seis anos. Foi, em 1997, a primeira mulher e primeira pessoa de origem não japonesa a assumir a Presidência da Federação das Seitas Budistas do Brasil, por um ano. Participa de encontros educacionais, inter-religiosos e promove a Caminhada Zen, em parques públicos, com o objetivo de divulgação do princípio da não violência e a criação de culturas de paz, justiça, cura da Terra e de todos os seres vivos.

Confira a entrevista.

IHU On-Line – Quais sãos os fundamentos da mística Zen Budista? O que a diferencia de outras práticas orientais?

Monja Coen - Zen Budismo se caracteriza pela prática da meditação sentada (zazen) e da necessidade da experiência mística para a libertação. Esta libertação não é apenas individual, mas inclui todos os seres, toda a vida do multiverso. O silêncio, interior e exterior, é cultivado para o encontro com a mente iluminada, transparente e imaculada. Há inúmeras outras tradições religiosas no oriente e não conhecendo todas as suas variedades não me sinto apta a responder a segunda parte da pergunta.

IHU On-Line - A senhora pode nos explicar o papel das Três Joias: Buda, Darma e Sanga?

Monja Coen - As Três Joias ou Três Tesouros são os elementos de fé de uma pessoa budista. Buda significa alguém que despertou, alguém que se iluminou, que entrou em contato com a sabedoria suprema. Podemos falar de três aspectos: Buda histórico, Xaquiamuni (Shakyamuni Buddha), que fora o príncipe Sidarta Gautama, aquele que abandonou seu castelo, seus amores e bens materiais e teve a experiência mística da iluminação. Pregou por 45 anos, morreu com 80 e deixou inúmeros discípulos. O segundo aspecto é o ser iluminado em cada uma, cada um de nós. A capacidade da iluminação suprema que cada ser humano é. O terceiro aspecto é o de Buda Cósmico, tudo que existe, existiu e virá a existir é a natureza Buda se manifestando em incessante movimento de transformação e seguindo a lei da causalidade.

Darma significa a Lei Verdadeira e se refere aos ensinamentos do Buda Histórico, que viveu há cerca de dois mil e seiscentos anos. Há alguns selos ou marcas para identificarmos se é o Darma de Buda.

Os ensinamentos devem se referir à incessante transformação de tudo que existe, à ausência de uma alma imutável e eterna ou um eu fixo e permanente, à lei da causalidade ou origem dependente, à questão do sofrimento humano e a capacidade de alcançar Nirvana.

Discípulos de Buda escreveram seus ensinamentos e estes são divididos para fins didáticos no chamado Cânone Budista ou Tripitaka: Sutras ou Sastras - discursos de Buda, Vinaya - regras de comportamento quer monástico quer laicos, Abidarma - comentários filosóficos sobre os ensinamentos. Há muitas ordens budistas.

IHU On-Line – O Budismo é uma das maiores religiões do mundo em número de seguidores. A que a senhora atribui tanta procura de uma religião sem Deus?

Monja Coen - A que você atribui a tanta procura a uma religião baseada no conceito de Deus, como o Cristianismo? Há várias maneiras das pessoas manifestarem suas crenças, seu comportamento, sua entrega, confiança. Há inúmeras culturas e etnias. Podemos até considerar as raízes etimológicas da palavra religião - não apenas religar com algo acima de si mesmo, mas em si mesmo. E também relegere. Vale uma boa reflexão sobre o assunto. O que é religião?

Agora, quando pensamos por que pessoas ocidentais se interessam pelo Zen Budismo, eu poderia dizer que há uma procura de conhecimento - tanto de como a mente individual ou de como a mente coletiva se manifesta e funciona. Acredito que as práticas de Zazen (sentar-se em meditação) são uma das entradas principais para conhecer a si mesmo e transcender a si mesmo.

IHU On-Line – Na mística zen-budista é possível o diálogo com outras tradições religiosas? 
Monja Coen - Tenho percebido a importância do encontro inter-religioso para a construção de uma cultura de paz, justiça e cura da Terra. Desde meados do século XIX, esses encontros estão ocorrendo, e o diálogo se transforma em ações conjuntas para o bem comum.

IHU On-Line – Como a mística Zen Budista pode transformar a cultura da violência afirmada ao longo da história da humanidade e presente até mesmo em conflitos religiosos?

Monja Coen - Como um dos vetores. Se cada pessoa se transformar na não violência ativa haverá uma grande mudança. Conflitos religiosos refletem a violência que vivemos. Mas, muito já melhoramos. Não há mais cruzadas, inquisições e fogueiras. Nós, como humanidade, estamos crescendo e aprendendo a corrigir nossos erros. Não apenas a mística Zen Budista pode transformar o mundo, mas acredito que as várias tradições espirituais da humanidade têm o mesmo propósito: despertar para a verdade de que somos, estamos todos irmanados, compartilhando das mesmas necessidades primárias, e que a felicidade de todos é a nossa verdadeira felicidade.

IHU On-Line – Que ações são imprescindíveis para a construção da paz planetária? A senhora concorda que a proposta de uma ética mundial é o caminho?

Monja Coen - Sim, concordo que precisamos restabelecer uma ética mundial. Este fazer o bem pelo bem de todos inclui animais, plantas, aves, insetos, minerais, ar, água, terra. A ética do cuidado e do respeito. Inúmeras ações são necessárias. Educação ética transversal. Professoras e professores precisam ser capacitados a transmitir em suas disciplinas o respeito e compreensão às várias manifestações humanas da Terra. A compreensão de que a Terra é o nosso corpo é fundamental para a mudança de um modelo mental egóico e delusivo - considerar-se separado do todo -, para uma compreensão da unidade e para desenvolver o voto da compaixão. Seguindo a sugestão de Karen Armstrong, devemos - pessoas de todas as religiões e tradições espirituais - assinar o compromisso de trabalharmos para empoderar pessoas à capacidade da compaixão. Isso, definitivamente, fará grande diferença.

IHU On-Line – Quais são as contribuições que o Zen Budismo oferece à humanidade num momento de crise social, financeira e de ética em que nos encontramos?

Monja Coen - Que isso não é novo, nem foi criado agora, nem é particular do Brasil. Que há esperança. Que temos crescido e nos transformado como espécie. Que temos esta extraordinária oportunidade de haver nascido em uma época em que podemos ser a transformação que queremos no mundo. Que cada um de nós, fazendo o melhor de si em cada instante, está transformando a vida da Terra.

Também oferecemos cursos, ajuda solidária, educação e assistência. Criamos programas contra a discriminação e o preconceito e programas para a preservação dos direitos humanos, meio ambiente e paz - os três pilares da tradição Soto Zen Shu, à qual pertenço.

IHU On-Line – Como os ensinamentos e as práticas do Budismo, em especial a Cura da Terra, podem contribuir para pensar uma nova perspectiva para o caos ambiental do planeta?

Monja Coen - Compreendendo que somos a vida da Terra. Que a Terra é o nosso próprio corpo. A realização da Iluminação Suprema é a de que intersomos com tudo que existe.
Se percebermos a verdade e fizermos movimentos não violentos de educação popular e das elites dominantes, muito poderá ser obtido.

Talvez não possamos ver os resultados das causas e condições que criamos em nossas vidas, com nossas vidas, mas sei que o futuro depende das causas e condições que criamos aqui e agora, com nossa maneira de ver, falar, pensar, ouvir, compreender e agir no mundo.

Que seja pela paz, pela inclusão da grande natureza em nossos corações. Que possamos encontrar o diálogo e transformar cada instante de violência em um instante de paz.


Monja Coen concedeu entrevista à IHU On-Line
Por: Patricia Fachin

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arte: Hugo Pullen