sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Fluxo

Foto: Lou Gaioto

Quando os budas olham o mundo, não vêem solidez. Eles não vêem os eus. Vêem apenas fluxo.

Isso não significa que a pessoa desperta não enxerga mais formas como o resto de nós. Eles vêem as formas - ou, por assim dizer, "a condição de forma" - mas como algo ilusório. Eles vêem que todas as coisas surgem juntas. Vêem que a aparente existência de qualquer coisa depende de tudo o que ela não é, e vêem essa dependência como nada mais que a própria mudança e o próprio movimento. 

Buda chamou esse fenômeno de surgimento dependente. O surgimento dependente consiste na fórmula: "Quando isto surge, aquilo acontece." Quando os dias ficam mais longos, as flores brotam. Quando os dias são mais curtos, as cores do outono aparecem e as folhas caem das árvores. As flores da primavera são inseparáveis dos dias longos; as cores do outono, inseparáveis dos dias menores e com menos luz. De fato, as flores da primavera são os dias mais longos; as cores do outono são os dias mais curtos. Na realidade, todos os fenômenos trabalham juntos como um todo integrado. 

O surgimento dependente não é algo vago, místico, remoto e intelectual. O buda-dharma é muito prático e realista. Basta prestar atenção redobrada em sua experiência real e você mesmo verá isso. 


(Budismo Claro e Simples - Steve Hagen)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

flor do cerrado - Google Não dê ouvidos às palavras indignas ditas pelos outros. Não se preocupe com aquilo que foi realizado ou não ...