segunda-feira, 1 de julho de 2013

A paciência é a marca do verdadeiro amor

A raiva é uma coisa viva. Ela brota e precisa de tempo para abrandar. Mesmo que você tenha provas concretas para convencer a outra pessoa de que a raiva dela está totalmente baseada numa percepção errada, por favor, não interfira imediatamente. Assim como o ciúme, a raiva precisa de tempo para abrandar, mesmo depois que a outra pessoa descobre que interpretou mal a situação. Quando você desliga um ventilador, ela continua a girar durante algum tempo antes de parar. A raiva também é assim. Não espere que a outra pessoa pare imediatamente de sentir raiva. Deixe que ela desapareça aos poucos, lentamente. Por favor, não se apresse.

A paciência é a marca do verdadeiro amor. Se queremos amar, precisamos a ser pacientes, tanto com os outros quanto com nós mesmos. A prática de abraçar a raiva requer tempo, mas, se você praticar durante apenas cinco minutos a respiração consciente, o andar consciente, e abraçar sua raiva, poderá alcançar um resultado eficaz. Se cinco minutos não forem suficientes, leve dez. E, se dez não bastarem, leve quinze. Leve o tempo de precisar. As práticas da respiração consciente e do andar consciente ao ar livre são uma forma maravilhosa de abraçar a raiva. É exatamente como quando você cozinha batatas. Você precisa manter o fogo aceso durante pelo menos quinze ou vinte minutos, para não comer batatas cruas. Você precisa cozinhar sua raiva no fogo da plena consciência e isso pode levar dez, vinte minutos ou muito mais tempo.

(Thich Nhat Hanh - Aprendendo a lidar com raiva)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Nobre

flores do cerrado - google Aquele que é inofensivo, que não fere nem causa ou incentiva a morte de qualquer ser, fraco ou forte, ...