domingo, 3 de fevereiro de 2013

VIDA SEM MEDIDA

O Zen diz respeito a fazermos o melhor que pudermos. O problema é que geralmente não sabemos o que vem a ser fazermos o melhor possível.

Em vez disso, nos agarramos a algum conceito sobre o que significa fazer o melhor possível. Surgimos com idéias sobre o que é bom e o que é mau e sobre o que deveríamos e não deveríamos estar fazendo. E então estabelecemos objetivos padrões pelos quais medimos nosso progresso.

Agindo assim, levamos tudo para o território do ego: "Eu vou fazer o melhor que puder." "Eu vou conseguir." "Eu vou fazer melhor que os outros." Somos apanhados pelo pensamento e pela ambição pessoal, mesmo quando se trata de meditação ou sabedoria ou compaixão. "Eu irei realizar a ausência de self." "Eu vou alcançar o Nirvana." É ridículo.

Veja o estado mental que criamos com tais pensamentos. É nossa mente habitual, ávida e voraz. É fragmentada e agitada.

No Zen, fazer o melhor que pudermos significa cultivar uma mente que não seja apanhada em práticas egoístas. É vigiar quando nossa fala e comportamento nos coloca à parte, nos separa ou nos deixa em oposição aos demais. 

Fazer o melhor que puder é penetrar neste momento e ver o que está de fato acontecendo. É compreender que sua vida não é sua - que na verdade você vive inseparavelmente do Todo.

A maior parte de nós acredita que somos seres em separado. Isso apenas cria solidão, egoísmo, dor e dificuldade. Ainda, como nos vemos dessa maneira - e porque tentamos aliviar a dor que sentimos por vivermos assim - gastamos uma enorme quantidade de energia e recursos para modificar a nós mesmos, uns aos outros e ao nosso ambiente, tudo num esforço para satisfazer nossos  interesses imediatos. Enquanto isso, temos pouca ou nenhuma consciência de como nossas ações afetam os outros - e pouco reconhecimento de que o que afeta os outros afeta a nós também.

É muito fácil para nós olharmos "lá fora" e reagirmos a como "aquilo" afeta negativamente a "mim". "Eu não quero um bambu crescendo aqui!" "Eu não quero abelhas fazendo casa embaixo da minha calha." "Não quero que meus investimentos dêem menos que 10% de lucro." No entanto, raramente consideramos a qualidade das nossas mentes ou o impacto de nossas ações no mundo.

(O Budismo não é o que você pensa - Encontrando liberdade para além de crenças - Steve Hagen)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Nobre

flores do cerrado - google Aquele que é inofensivo, que não fere nem causa ou incentiva a morte de qualquer ser, fraco ou forte, ...