quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Zen é vida diária

Zen não é uma espécie  de empolgação, e sim concentração em nossa vida diária.



foto: Lou Gaioto

Meu mestre morreu quando eu tinha trinta e um anos. Embora eu quisesse me dedicar inteiramente à prática do Zen no mosteiro Eiheiji, tive que sucedê-lo em seu templo. Com isso fiquei muito ocupado e, tão jovem ainda, deparei com muitas dificuldades. Essas dificuldades me deram alguma experiência mas ela não significava nada comparada ao autêntico, calmo e sereno modo de viver.


É necessário seguir a via constante. O Zen não é uma espécie de empolgação,  e sim concentração em nossa rotina diária.  Se você ficar demasiado ocupado e agitado, sua mente se tornará grosseira e instável. Isso não é bom. Se possível, procure ser calmo, alegre, evitando agitações.  Por  via de regra, tornamo-nos cada vez mais ocupados, dia após dia, ano após ano, especialmente em nosso mundo moderno. Se depois de muito tempo retornamos a lugares que nos eram familiares, ficamos espantados com as mudanças. Isso é inevitável. Mas, se nos interessarmos demais por situações excitantes o mesmo por nossa própria mudança, ficaremos envolvidos em nossa vida atribulada e nos perderemos. No entanto, se sua mente está calma e firme, você pode se resguardar do mundo barulhento, mesmo no meio dele. Apesar do barulho e das mudanças, sua mente conservará a quietude e estabilidade.

(Shunryu Suzuki - Mente Zen, mente de principiante)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Cultive a gentileza